XIV Festival de Apartamento (Diamantina/MG) - Registro Online das Performances Apresentadas

E, depois de muitas idas e vindas, o Festival de Apartamento é novamente recebido pelos anfitriões (e fofos) Flávio Rabelo e Patrik Vezali, mas dessa vez em sua casa nova de Diamantina/MG, ajudando a levar as intenções nômades do evento um bocadinho mais longe. O XIV Festival de Apartamento foi singularmente menor em termos de número de inscrições e performances confirmadas, lembrando muito as primeiras e mais intimistas edições, com uma dinâmica entre os trabalhos bem diferente daquela que acabou se estabelecendo com o tempo. Sai a simultaneidade para dar lugar à dilatação do tempo dos, e entre, trabalhos. Uma dinâmica diferente (ainda que velha conhecida) que tornou essa edição única em muitos aspectos, um festival que se realizou, talvez, mais nos interstícios do que nos atos, que aconteceu antes, aconteceu depois, aconteceu até quando ninguém estava olhando. Em conversas, em reflexões, em fruições, nas xícaras de café expresso de vários sabores acompanhados dos multideliciosos conosquinhos. O festival rolou, nas jornadas entre a casa e a cidade,entre as brechas das antigas ruas de paralelepípedos, em elucubrações sobre estatuetas de santos com cabeças decepadas, na contemplação da imensidão da via láctea, tão impressionantemente visível no céu noturno de Diamantina. Agradecemos ao cativante jeito mineiro que nos perguntava sobre o que levar pro festival e que a cada vez que recebeu a palavra "vinho" como resposta, apertou um pouco mais os olhos num espontâneo e preocupado "Mas e pra comer?!". Obrigado pelo caldeirão de feijão tropeiro acompanhado de queijos e frutas que rebateu o frio e fez da cozinha, automaticamente, um lugar de comunhão.  E entre uma estrela cadente e outra, agradecemos a todos que prestigiaram e colaboraram com a realização de mais um Festival de Apartamento.



XIV Festival de Apartamento (Diamantina/MG)
Arte da Performance
02/08/2014

Organização:


Fotógrafos:

Registro das Performances Apresentadas
(listadas por ordem de inscrição, com sinopses enviadas pelos próprios performers)

ATENÇÃO: Pedimos gentilmente que as imagens veiculadas aqui não sejam reproduzidas em outros sites, blogs e redes sociais sem a autorização dos respectivos artistas. Os links para os sites, blogs ou e-mails de cada performer estão disponíveis abaixo para contato. Apesar de parecer um pedido ingênuo numa época em que imagens podem ser reproduzidas ao infinito, as vezes sem nenhuma preocupação com as pessoas fotografadas e com o contexto em que suas imagens podem acabar sendo exibidas, ainda assim apelamos para o seu bom senso. Obrigado.


mulheres
Belo Horizonte/MG

disposição de uma coleção digital: menções de chico buarque a mulheres ao longo de sua carreira, de "chico buarque de hollanda" (1966) a "chico" (2011). escuta atenta, escuta emocional e chavecos furados.





PiiUreal
Belo Horizonte/MG 

Uma visita ao glamour e ao surrealismo. Um jardim que surge de pés, uma visão para os desavisados. Um sonho com pé e sem cabeça. Um PiiU floresceu.






Um ritual é um ritual é um ritual - festivalismo
Palmas/TO

Invenção em colaboração de rituais para a celebração do que se desejar, a partir das cartilhas da doutrina apartamentiana do festivalismo.





3x1 - Descargas
Raquel Aguilera, Flávio Rabelo, James Turpin, Roberto Rezende
Diamantina/MG

Descarga:  s.x. Ato de tirar a carga.






Autoestima 26
Éthany Cunha
Diamantina/MG

Uma investigação sobre a autoestima. Do alto, do outro, de todos.





Hibiscobarba Diamantina
Belo Horizonte/MG

Hibiscobarba é sobre o gosto de deixar a barba crescer. Assumir a força do campo eletromagnético do cabelo à volta do rosto. Hibiscobarba também é sobre o gosto do chá de hibisco e a sua cor escura. Convido todos a beber uma xícara quente de vermelho-escuro enquanto a barba dança.






Para os meus filhos que não nascem II - Mortalha para um corpo vivo
Maringá/PR

De dentro de mim escorre sangue. É o desfazer da cama primeira onde o filho não se deitou. Faço uma mortalha para ampará-lo do lado de fora do mundo.






O Boi e a Cerca
Kleber Ramon de Souza
Diamantina/MG

O boi e a cerca, poema e arte visual em arame farpado e couro de boi. Aí, a submissão do boi à cerca pode ser entendida como uma metáfora à submissão humana a todo tipo de opressão. A proposta poética está no fato de haver um farpo que espeta a carne e um couro que a protege desse farpo.







E, finalmente, entreatos, convívio e celebração:
E agradecimentos a todos que prestigiaram e colaboraram com a realização de mais um Festival de Apartamento.

Um comentário:

Anderson disse...

Parabéns a todos que estiveram presentes e fizeram da noite uma performance...